Logo

11762 - Cidades Médias, agentes econômicos e novos espaços de consumo

Como importantes empreendimentos imobiliários, os shopping centers passaram a fazer parte do cotidiano das cidades médias brasileiras somente após o início da década de 1990. Tratam-se de grandes equipamentos de consumo, com estratégias espaciais que se assemelham às lógicas utilizadas nas cidades dos Estados Unidos, com escolha locacional em áreas periféricas ao tecido urbano, porém, com vias de acesso com áreas importantes da cidade e da região e forte influência na edificação dos arredores, com grande freqüência de loteamentos fechados, hotéis e universidades privadas. Com isso, os shopping centers das cidades médias, geralmente resultantes de capitais locais, cresceram significativamente em variedade e em tamanho nos últimos 20 anos e passaram a atrair para as cidades médias novos investimentos de grandes grupos nacionais ou internacionais do ramo dos shopping centers. Após a analise de quatro grandes grupos - Multiplan, Sonae Sierra, Iguatemi e Alliansce, verificamos que recentemente passaram a incluir as cidades médias em suas áreas de investimentos. Para mensurar tais questões buscamos verticalizar a análise junto aos shopping centers instalados e em instalação das cidades de Londrina (PR), São José do Rio Preto (SP) e Uberlândia (MG), visando discutir a origem dos capitais, ramificações dos investimentos, estratégias espaciais urbanas, perfil socioespacial e seus papéis na reestruturação urbana.

Author: William, Ribeiro da Silva (Universidade Federal do Rio de Janeiro - Brasil, Brazil / Brasilien)

Back

University of Vienna | Dr.-Karl-Lueger-Ring 1 | 1010 Vienna | T +43 1 4277 17575