Logo

10124 - A educação indígena no Brasil: as culturas indígenas nas práticas pedagógicas

A educação escolar indígena no Brasil tem se definido, desde os direitos conquistados na Constituição de 1988, como intercultural, bilíngüe e diferenciada, e proposto o respeito aos processos próprios de ensino e aprendizagem. As escolas indígenas, ademais, ganharam autonomia de gestão e de configuração de currículos e de práticas pedagógicas. A implantação dessa diferença - potencialmente infinita em sua diversidade, já que deve contemplar cada aldeia das diversas etnias e cada uma das mais de 200 línguas indígenas faladas no Brasil - pressupõe, porém, uma concepção de cultura indígena. Tendo em vista os recentes debates sobre a objetivação e a indigenização da cultura essa comunicação discute a interculturalidade em experiências de escolarização no Brasil debatendo a cultura indígena a elas incorporada. A proposta de discussão parte da etnografia realizada na escola indígena de uma aldeia do grupo Xikrin do Bacajá, que vive no sudoeste do Pará. Esta escola não é um exemplo de educação diferenciada, no modelo proposto pela Constituição brasileira, porém é muito valorizada pelo grupo. Devido a esse contexto, também será debatido a maneira como a Secretaria Municipal de Educação de Altamira, órgão responsável pela educação escolar indígena local, desenvolve trabalhos para essas escolas. Para tanto, o debate é embasado pela etnografia realizada neste órgão público tendo como foco a gestão escolar indígena do município.    

coautores: Ciências Sociais pela UFSCar e Clarice Cohn, doutora em Antropologia Social.        

Palabras claves: educação escolar indígena, interculturalidade, cultura indígena

Autores: Beltrame, Camila (UFSCar, Brazil / Brasilien)
Co-Autores: Santiago, Ana Elisa

atrás

University of Vienna | Dr.-Karl-Lueger-Ring 1 | 1010 Vienna | T +43 1 4277 17575