Logo

7382 - CURRÍCULO ESCOLAR E CULTURAS INFANTIS INDÍGENAS: UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE (DES)ENCONTROS

O presente texto constitui-se em parte dos resultados alcançados a partir de uma pesquisa de cunho etnográfico, realizada em uma comunidade indígena na cidade de Manaus-Amazonas-Brasil, com 12 crianças da etnia Sateré-Mawé e em duas escolas públicas da rede de ensino, onde se buscou identificar as práticas pedagógicas vivenciadas pelos professores e a relação das mesmas com a cultura das crianças Sateré-Mawé. Assim, o objetivo é estabelecer, a partir das falas das crianças, o cruzamento entre os saberes vividos por elas no cotidiano de sua comunidade indígena e os saberes instituídos pelas escolas, destacando os (des)encontros que foram emergindo no processo da pesquisa e que configuraram a distinção entre os lugares das culturas indígenas, e a lógica da existência de uma hierarquia de saberes, que determina que os padrões da vida social a serem seguidos, sejam hegemônicos e homogeneizados. Desta maneira, uma prática pedagógica de (des)encontros norteia os processos pedagógicos das escolas e relega às crianças Sateré-Mawé a função de seres passivos, que no ambiente escolar, devem responder as condutas de obediência, reproduzindo a ordem imposta pela estrutura curricular e pelo pensamento pedagógico que define a prática dos professores. O texto é um convite a entrarmos nesse imbricado espaço de relações sociais contraditórias e preconceituosas, desvelando que para as crianças indígenas a escola não-indígena tende a ser um espaço segregador, o que confirma a nossa tese de que o modelo de escola posto não é um lugar para/com as crianças indígenas.          

Palabras claves: Culturas Indígenas ¿ Infância ¿ Prática Pedagógica

Autores: Roberto, Mubarac (Universidade do Estado do Amazonas, Brazil / Brasilien)

atrás

University of Vienna | Dr.-Karl-Lueger-Ring 1 | 1010 Vienna | T +43 1 4277 17575