Logo

5203 - A CADEIA MERCANTIL DO CAFÉ (1830/1929) E A INSERÇÃO DO BRASIL NA ECONOMIA-MUNDO

Estudos sob a perspectiva da Economia Política dos Sistemas-Mundo (EPSM) se fundamentam na superação da ótica nacional e suas análises partem da divisão entre centro, periferias e semiperiferias do sistema. Pensar a América Latina a partir desses pressupostos conduz a localizá-la na periferia e em poucos casos na semiperiferia do sistema. O caso do Brasil, tal como a América Latina como um todo, inserido na Economia-Mundo européia desde seus primórdios, sua história está condicionada pelos interesses do centro hegemônico. Sendo assim é possível analisar os vários ciclos sistêmicos de acumulação (CSA) a partir desse espaço geográfico.

A história do Brasil, da colônia até o momento contemporâneo, decorre dos CSA genovês, holandês, britânico e norte-americano. Uma análise mais detida de um período importante para a história do Brasil – chamada ‘expansão cafeeira’ (1830-1929) – dadas suas transformações internas, evidencia sua inserção no ciclo acumulação britânico, o declínio deste e a passagem para o CSA norte americano.

Consequentemente apresenta as características de cada conjuntura histórica e as transformações internas decorrem desse processo encabeçado pelo centro. Assim, se observa que o estudo da cadeia mercantil do café brasileiro apresenta-se como uma possibilidade de análise do sistema-mundo como um todo e simultaneamente as particularidades de um componente periférico. E o fato de o período histórico conduzir tanto ao apogeu britânico como à passagem para o CSA norte-americano apresenta ainda a possibilidade de se observar as consequências de tal mudança de centro hegemônico para a periferia do sistema.

Palavras-chaves: Economia Política dos Sistemas-Mundo; Brasil; Café

Autores: Vieira, Rosângela (Universidade Esatdual Paulista - UNESP/campus de Marília-SP / Brasil, Brazil / Brasilien)

atrás

University of Vienna | Dr.-Karl-Lueger-Ring 1 | 1010 Vienna | T +43 1 4277 17575