Logo

5724 - Além das doutrinas e rotinas: o quotidiano nos aldeamentos jesuíticos da Amazônia Portuguesa (século XVII)

A historiografia tradicional referente à presença jesuítica na Amazônia Portuguesa salientou durante muito tempo e de forma unilateral a ação evangelizadora dos missionários, relegando aos indígenas um papel passivo. Neste sentido, o cunho apologético das pesquisas de Serafim Leite e João Lúcio de Azevedo enfocou, sobretudo, a suposta contribuição civilizatória dos inacianos. Publicações mais recentes – como as de Antônio Porro, Manuela Carneiro da Cunha ou John Manuel Monteiro – realçam o protagonismo e a resistência indígenas já durante a primeira fase da colonização. Porém, poucos historiadores dedicaram-se até agora especificamente à questão da vida cotidiana nas missões propriamente ditas – espaço de um convívio próximo entre missionários e índios marcado por um intenso condicionamento mútuo. Além da rotina oficial estabelecida por regulamentos internos e regimentos jurídicos, as fontes da época – sobretudo, cartas ânuas e crônicas – deixam transparecer as “brechas” que os índios, originários de diferentes etnias, usaram para criar um novo modo de viver no interior das missões e, também, no decorrer das longas viagens pelos rios da Amazônia (transportes ou expedições). A incompreensão dos missionários frente à cosmovisão e/ou a certos padrões comportamentais dos indígenas contribuiu para que a nova cultura “missioneira” preservasse uma matriz ameríndia, apesar de sua forte expressão ibero-barroca. Os aspectos principais a serem tratados são: ritos, símbolos e religiosidade, relações sociais e de gênero, culinária, festas e lazer, técnicas e métodos de trabalho, língua e comunicação, transmissão e aplicação do saber tradicional, educação e iniciação de crianças e jovens. Visto que grande parte da população atual da Amazônia – os chamados caboclos ou ribeirinhos – descende dos índios cristianizados e aldeados, a análise do dia-a-dia nas missões permite compreender melhor a formação social e cultural da região desde os primórdios da colonização lusa no século XVII.

Palabras claves: quotidiano, aldeamentos, jesuítas, índios, Amazônia

Autores: Arenz, Karl Heinz (Universidade Federal do Pará - UFPA, Brazil / Brasilien)

atrás

University of Vienna | Dr.-Karl-Lueger-Ring 1 | 1010 Vienna | T +43 1 4277 17575