Logo

4920 - E quando é morto o imperador? Batalhas memoriais nos funerais de D. Pedro II (1891)

Este artigo tem como objetivo analisar os debates e manifestações ocorridas durante as cerimônias fúnebres de D. Pedro II, em dezembro de 1891. Um momento marcado por intensas disputas memoriais, cujo cerne envolvia justamente o lugar que esse personagem, símbolo da Monarquia, iria ocupar no passado que a República estava então construindo. Apesar dos funerais de D. Pedro terem ocorrido em Paris e Lisboa, todo o ritual fúnebre foi acompanhado, no Brasil, através da imprensa, que tratou também de divulgar as inúmeras missas e manifestações aqui realizadas, publicando extensos necrológios sobre o imperador. Como um espaço de luta simbólica, marcado por diferentes interesses e interpretações, a imprensa será um dos atores envolvidos nesse momento privilegiado de batalhas e negociações inerentes às construções memoriais. Assim, a análise de tal episódio implica pensar que seleção será feita sobre a memória do imperador e da Monarquia, bem como do passado recente republicano.

Palabras claves: Rituais fúnebres; Memória; República; Monarquia

Autores: Fagundes, Luciana (Fundação Getúlio Vargas/CPDOC, Brazil / Brasilien)

atrás

University of Vienna | Dr.-Karl-Lueger-Ring 1 | 1010 Vienna | T +43 1 4277 17575