Logo

9137 - Memórias construídas: representações culturais no Brasil do século XIX

Há certo consenso historiográfico que, através de suas instituições, desde as mais formais até as informais, isto é, tanto no nível do Estado quanto da sociedade, significativa gama de padrões culturais europeus foram se acumulando no Brasil ao longo do século XIX, prosseguindo no século XX. Contudo, ao lado da notória atração do olhar brasileiro pela cultura européia, ocorressem também atitudes de rejeição em relação a estes processos de “transferência cultural”. Neste sentido, jornalistas, livreiros e intelectuais podem ser objeto de uma análise prosopográfica para que se possa desenvolver um estudo da dicotomia admiração/ rejeição que se projetam nas práticas políticas e culturais adotadas em diversos momentos no Brasil, desde a rejeição às idéias francesas, consideradas perigosas em função do temor despertado pela Revolução de 1789, para uma transição positiva, transmutada em admiração, quando a França tornou-se um modelo nas letras, nas artes, na moda, no estilo de vida. Essa dicotomia merece, por conseguinte, um estudo mais acurado, que destaque as tendências predominantes em cada conjuntura e os modelos de interpretação da realidade e de comportamento a que deram origem. Assim como aquelas outras, mais difíceis de captar, que presidiram, a construção de uma memória a partir do fascínio há muito exercido pelos trópicos sobre o imaginário europeu, às decisões tomadas pelos países europeus em relação ao Brasil.

Palabras claves: Representações; Memórias;prosopografia

Autores: Bessone da Cruz Ferreira, Tania Maria (Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brazil / Brasilien)

atrás

University of Vienna | Dr.-Karl-Lueger-Ring 1 | 1010 Vienna | T +43 1 4277 17575