Logo

6081 - Antonio Callado e a rasura da identidade nacional

Os romances do brasileiro Antonio Callado que, de alguma forma, dialogam com as questões políticas do Brasil das décadas de 70 e 80 têm, como traço em comum, certa percepção crítica, de largo espectro, que questiona não só as forças de direita, responsáveis pela longa ditadura militar que se abateu sobre o país durante essas décadas, como também as forças de resistência que então se organizaram para combater o regime. O romance A expedição Moantaigne, publicado na década de 80, embora não mais tematize de forma explícita a conjuntura política brasileira, alarga o viés crítico próprio das obras anteriores, o que aponta para o fato de que, somada ao retrato implacável da esquerda e da direita políticas brasileiras, é característica importante do romance calladiano o questionamento, a rasura, a demolição dos símbolos nacionais que, no decorrer dos séculos, sustentaram (e ainda sustentam, de certa forma) o imaginário a respeito do Brasil. Este trabalho pretende, partindo da leitura dos romances de temática política de Callado, chegar à análise de A expedição Montaigne, a fim de observar de que forma a visada crítica do escritor se alarga, a despeito de a temática política ter-se diluído.

Keywords: Romance brasileiro contemporâneo, política, crítica, Antonio Callado

Author: Rocha, Rejane (Universidade Federal de São Carlos, Brazil / Brasilien)

Back

University of Vienna | Dr.-Karl-Lueger-Ring 1 | 1010 Vienna | T +43 1 4277 17575