Logo

10687 - A crônica e o lúdico

Compreendida como um gênero menor, a crônica foi praticada por importantes escritores da literatura brasileira. Um deles foi Carlos Drummond de Andrade, que escreveu crônicas sobre os mais diversos temas durante décadas, fazendo-se presente na cena literária nacional periodicamente. Outro cronista presente no cenário brasileiro, e não tão conhecido por esse gênero, foi João Guimarães Rosa, cuja escrita em periódicos foi muito menos abundante que a de Drummond e, quando praticada, resultou num outro tipo de visão sobre a crônica. Cada um desses dois cronistas relacionou-se de uma maneira com o tipo de tema e forma de apresentação dessa linguagem aparentemente descompromissada. Em ambos mantêm-se a relação lúdica com o cotidiano e com a linguagem que, dentre outros mecanismos, é capaz de nos fazer olhar para o insignificante e dotá-lo de importância e singularidade. “Sem atormentar o leitor”, mas “recordando-lhe a condição humana”, como afirmou Drummond, a crônica oferece um tipo de literatura de apreciação mais descompromissada, mas capaz de agir de modo particular na cena literária. Nesta comunicação, proponho relacionar crônicas de Drummond e Guimarães Rosa a fim de refletir sobre a função desse tipo de escrita para o período de sua publicação, sobretudo sobre seu modo de operar a construção da autoimagem desses escritores.

Palavras-chaves: Crônica - Lúdico - Guimarães Rosa - Drummond - campo literário

Autores: Monica, Gama (Universidade de São Paulo, Brazil / Brasilien)

atrás

University of Vienna | Dr.-Karl-Lueger-Ring 1 | 1010 Vienna | T +43 1 4277 17575