Logo

3150 - Os diferentes modos de conhecer o passado

Na Amazônia indígena contemporânea, nós temos observado encontros e desencontros cada vez mais freqüentes e intensos entre os diferentes modos de saber das populações indígenas e os modos ocidentais de conhecimento e de fazer ciência. Neste contexto a antropologia e a arqueologia se vêem diante de um novo desafio: redefinir os seus próprios regimes de conhecimento, incorporando as múltiplas vozes dos nativos e suas filosofias na elaboração das suas teorias sobre os ameríndios. Neste simpósio pretendemos refletir sobre o modo específico como a arqueologia vem lidando com esta questão no que se refere à pesquisa e interpretação do patrimônio arqueológico e do passado ameríndio. As diferentes experiências vividas no continente americano a partir do (des)encontro entre arqueólogos e populações indígenas têm provocado uma intensa reflexão na arqueologia que, aos poucos, vem se redefinindo como uma disciplina que deve possibilitar uma tradução multivocal do passado, no presente. As repercussões deste movimento se fazem sentir nas práticas arqueológicas e indígenas de apropriação (científica, econômica, política, social e cultural) dos vestígios materiais do passado.    

Palabras claves: Amazônia, Patrimônio Arqueológico, Multivocalidade, Passado Ameríndio

Autores: Silva, Fabíola (Museu de Arqueologia e Etnologia USP, Brazil / Brasilien)

atrás

University of Vienna | Dr.-Karl-Lueger-Ring 1 | 1010 Vienna | T +43 1 4277 17575