Logo

4153 - O Teatro do Oprimido na CPLP: avanços e limites de uma estética dialógica e libertária

A Estética do Teatro do Oprimido, criada pelo dramaturgo brasileiro Augusto Boal, nos tempos da ditadura militar brasileira, desenvolveu-se quando o teatrólogo já se encontrava no exílio. Hoje o TO é aclamado em mais de setenta países como uma prática possibilitadora de resolução de conflitos sociais por sua base dialógica. Pretende-se expor tal estética a partir de estudos realizados sobre o alcance desta metodologia em diferentes contextos sociais e culturais. A experiência do TO em África, por exemplo, já é reconhecida como um avanço nas políticas sociais e culturais. Como exemplo temos o Grupo de Teatro do Oprimido de Maputo, Moçambique. É importante destacar a plasticidade deste fenômeno estético que se adapta às necessidades locais sempre que necessário. Ou seja: os sentidos de opressão são os mais variados, a depender do contexto histórico, político, cultural e social do grupo envolvido na prática. Dessa maneira, objetivamos explorar estas características do TO, demonstrando sua força como elemento de agregação de interesses emancipatórios comuns às diferentes demandas das mais distintas coletividades humanas mundo afora. Como recorte desta análise, priorizaremos a atuação do TO na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Keywords: Diálogo, Paz, Teatro do Oprimido, CPLP.

Author: Sanches Rocha, Elizabete (FCHS - UNESP, Brazil / Brasilien)

Back

University of Vienna | Dr.-Karl-Lueger-Ring 1 | 1010 Vienna | T +43 1 4277 17575