Logo

12115 - AS RELAÇÕES DE PODER ENTRE O FEMININO E O MASCULINO NA SULAMÉRICA COLONIAL.

A relação escravo e senhor em “Casa Grande & Senzala”, de Gilberto Freire, sinaliza a transcendência da visão clássica de poder ancorada apenas no senhor e seu domínio masculino, não é só poder pelo poder, mas uma dominância alternada e muitas vezes consentida, entre o feminino e o masculino. Na história brasileira encontra-se: Xica da Silva (escrava e senhora, por seu poder erótico); a princesa Carlota Joaquina (senhora da realeza, mas escrava do erotismo negro), entre outros anônimos. O erotismo e feminismo observado na “escrava” negra ou índia (os povos andinos estão inclusos) acalentava os sonhos eróticos do colonizador português e espanhol. Cientes do apelo sensual que traziam em sua pele morena, muitas foram “domadas” ou assim se “entregaram”, posteriormente orientando seus pares a fazer o que queriam, não deixando que se sentissem dominados. Em sua ânsia erótica, a miscigenação, a diversidade de culturas e de “peles” construiu uma das mais diferentes e iguais culturas: a sul-americana.

Palavras-chaves: Erotismo, escravo, poder

Autores: de Alvarenga Barbosa, Fernando ( , Other / Andere)

atrás

University of Vienna | Dr.-Karl-Lueger-Ring 1 | 1010 Vienna | T +43 1 4277 17575